O coronavírus está aqui para ficar

Pesquisa da Nature mostra que muitos cientistas esperam que o vírus que causa a covid-19 se torne endêmico, mas pode representar menos perigo com o tempo.

Durante grande parte do ano passado, a vida na Austrália esteve livre do coronavírus. Amigos se reuniam em pubs; as pessoas beijavam e abraçavam seus parentes; as crianças iam para a escola sem verificações de temperatura ou usando máscaras. O estado manteve essa posição invejável apenas colocando fortes restrições às viagens e impondo bloqueios — algumas regiões entraram em um bloqueio instantâneo no início do ano depois que um segurança de um hotel onde os visitantes foram colocados em quarentena testou positivo para o vírus. Mas a experiência na Austrália ofereceu um vislumbre de uma vida livre do coronavírus. Se outras regiões, auxiliadas por vacinas, buscassem uma estratégia similar de zero-COVID, então o mundo poderia esperar se livrar do vírus?

É um sonho lindo, mas a maioria dos cientistas acha que é improvável. Em janeiro, a Nature perguntou a mais de 100 imunologistas, pesquisadores de doenças infecciosas e virologistas que trabalham com o coronavírus se ele poderia ser erradicado. Quase 90% dos entrevistados acham que o coronavírus se tornará endêmico — o que significa que continuará a circular em bolsões da população global nos próximos anos.

“Erradicar esse vírus do mundo é muito parecido com tentar planejar a construção de um caminho para a Lua. Não é realista ”, diz Michael Osterholm, epidemiologista da Universidade de Minnesota em Minneapolis.

Mas o fracasso em erradicar o vírus não significa que a morte, a doença ou o isolamento social continuarão nas escalas vistas até agora. O futuro dependerá muito do tipo de imunidade que as pessoas adquirem por meio da infecção ou vacinação e de como o vírus evolui. A gripe e os quatro coronavírus humanos que causam resfriados comuns também são endêmicos: mas uma combinação de vacinas anuais e imunidade adquirida significa que as sociedades toleram as mortes e doenças sazonais que elas trazem sem exigir bloqueios, máscaras e distanciamento social.

Mais de um terço dos entrevistados na pesquisa da Nature pensaram que seria possível eliminar o SARS-CoV-2 de algumas regiões enquanto continuava a circular em outras. Em regiões com COVID zero, haveria um risco contínuo de surtos de doenças, mas eles poderiam ser eliminados rapidamente pela imunidade de rebanho se a maioria das pessoas tivesse sido vacinada. “Acho que a COVID será eliminada de alguns países, mas com um risco contínuo (e talvez sazonal) de reintrodução de lugares onde a cobertura vacinal e as medidas de saúde pública não têm sido boas o suficiente”, disse Christopher Dye, epidemiologista da Universidade de Oxford, Reino Unido.

“É provável que o vírus se torne endêmico, mas o padrão que isso vai assumir é difícil de prever”, disse Angela Rasmussen, virologista da Universidade de Georgetown, sediada em Seattle, Washington. Isso determinará os custos sociais do SARS-CoV-2 por 5, 10 ou até 50 anos no futuro.

Vírus infantil

Daqui a cinco anos, quando as creches telefonarem para os pais para lhes dizer que seus filhos estão com rinorreia e febre, a pandemia da covid-19 pode parecer uma memória distante. Mas há uma chance de que o vírus que matou mais de 1,5 milhão de pessoas em 2020 seja o culpado.

Este é um cenário que os cientistas preveem para o SARS-CoV-2. O vírus permanece, mas uma vez que as pessoas desenvolvam alguma imunidade a ele — seja por meio de infecção natural ou vacinação — elas não apresentarão sintomas graves. O vírus se tornaria um inimigo encontrado pela primeira vez na infância, quando geralmente causa infecção leve ou nenhuma, diz Jennie Lavine, pesquisadora de doenças infecciosas da Emory University em Atlanta, Geórgia.

Os cientistas consideram isso possível porque é assim que os quatro coronavírus endêmicos, chamados OC43, 229E, NL63 e HKU1, se comportam. Pelo menos três desses vírus provavelmente estão circulando nas populações humanas há centenas de anos; dois deles são responsáveis ​​por cerca de 15% das infecções respiratórias. Usando dados de estudos anteriores, Lavine e seus colegas desenvolveram um modelo que mostra como a maioria das crianças contrai esses vírus antes dos 6 anos de idade e desenvolve imunidade a eles. Essa defesa diminui muito rapidamente, por isso não é suficiente para bloquear totalmente a reinfecção, mas parece proteger os adultos de adoecerem, diz Lavine. Mesmo em crianças, a primeira infecção é relativamente leve.

Ainda não está claro se a imunidade ao SARS-CoV-2 se comportará da mesma maneira. Um grande estudo de pessoas que tiveram covid-19 sugere que seus níveis de anticorpos neutralizantes — que ajudam a bloquear a reinfecção — começam a diminuir após cerca de seis a oito meses. Mas seus corpos também produzem células B de memória, que podem fabricar anticorpos se uma nova infecção surgir, e células T que podem eliminar células infectadas por vírus, diz Daniela Weiskopf, imunologista do Instituto La Jolla de Imunologia na Califórnia, coautora o estudo. Ainda não foi estabelecido se esta memória imunológica pode bloquear a reinfecção viral — embora casos de reinfecção tenham sido registrados e novas variantes virais possam torná-los mais prováveis, eles ainda são considerados raros.

Weiskopf e seus colegas ainda estão rastreando a memória imunológica de pessoas infectadas com covid-19 para ver se ela persiste. Se a maioria das pessoas desenvolve imunidade ao vírus por toda a vida, seja por meio de infecção natural ou vacinação, é improvável que o vírus se torne endêmico, diz ela. Mas a imunidade pode diminuir depois de um ou dois anos — e já há indícios de que o vírus pode evoluir para escapar dela. Mais da metade dos cientistas que responderam à pesquisa da Nature acreditam que o declínio da imunidade será um dos principais fatores para o vírus se tornar endêmico.

Como o vírus se espalhou pelo mundo, pode parecer que já pode ser classificado como endêmico. Mas como as infecções continuam a aumentar em todo o mundo, e com tantas pessoas ainda suscetíveis, os cientistas ainda classificam tecnicamente como em fase de pandemia. Na fase endêmica, o número de infecções torna-se relativamente constante ao longo dos anos, permitindo surtos ocasionais, diz Lavine.

Para atingir esse estado estacionário, pode levar alguns anos ou décadas, dependendo da rapidez com que as populações desenvolvem imunidade, diz Lavine. Permitir que o vírus se espalhe sem controle seria a maneira mais rápida de chegar a esse ponto — mas isso resultaria em muitos milhões de mortes. “Esse caminho tem alguns custos enormes”, diz ela. O caminho mais palatável é por meio da vacinação.

Vacinas e imunidade coletiva

Os países que começaram a distribuir vacinas covid-19 em breve esperam ver uma redução nas doenças graves. Mas vai demorar mais para ver como as vacinas podem reduzir a transmissão de forma eficaz. Os dados dos ensaios clínicos sugerem que as vacinas que previnem a infecção sintomática também podem impedir uma pessoa de transmitir o vírus.

As últimas atualizações da pesquisa COVID

Se as vacinas bloquearem a transmissão — e se permanecerem eficazes contra as variantes mais novas do vírus — pode ser possível eliminar o vírus em regiões onde um número suficiente de pessoas está vacinado para que possam proteger aqueles que não o são, contribuindo para a imunidade coletiva.

Uma vacina que é 90% eficaz no bloqueio da transmissão precisará atingir pelo menos 55% da população para obter imunidade de rebanho temporária, desde que algumas medidas de distanciamento social — como máscaras faciais e muitas pessoas que trabalham em home-office — permaneçam em vigor para mantê-la transmissão em cheque, de acordo com um modelo desenvolvido por Alexandra Hogan no Imperial College London.

Uma vacina precisaria atingir quase 67% das pessoas para fornecer imunidade de rebanho se todas as medidas de distanciamento social fossem suspensas.

Mas se a taxa de transmissão aumentar devido a uma nova variante, ou se uma vacina for menos eficaz do que 90% no bloqueio transmissão, a cobertura da vacina deverá ser maior para reduzir a circulação.

Vacinar até 55% da população será um desafio em muitos países. “O vírus permanecerá por aí se partes do mundo não forem vacinadas”, disse Jeffrey Shaman, pesquisador de doenças infecciosas da Universidade de Columbia, em Nova York.

Mesmo que o vírus continue endêmico em muitas regiões, as viagens globais provavelmente serão retomadas quando as infecções graves forem reduzidas a níveis que os serviços de saúde podem enfrentar e quando uma alta proporção de pessoas vulneráveis ​​a doenças graves forem vacinadas, diz Dye.

Semelhante à gripe?

A pandemia de gripe de 1918, que matou mais de 50 milhões de pessoas, é o parâmetro pelo qual todas as outras pandemias são medidas. Foi desencadeado por um tipo de vírus conhecido como influenza A, que se originou em pássaros. Quase todos os casos de influenza A desde então, e todas as pandemias de gripe subsequentes, foram causados ​​por descendentes do vírus de 1918. Esses descendentes circulam pelo globo, infectando milhões de pessoas a cada ano. As pandemias de gripe ocorrem quando as populações não são imunes a um vírus; no momento em que um vírus pandêmico se torna sazonal, grande parte da população já possui alguma imunidade a ele. A gripe sazonal ainda tem um impacto significativo em todo o mundo, ceifando cerca de 650.000 vidas por ano.

Jesse Bloom, biólogo evolucionário do Fred Hutchinson Cancer Research Center, em Seattle, acha que o coronavírus pode seguir um caminho semelhante. “Acho que a SARS-CoV-2 se tornará um problema menos sério e algo como a gripe”, diz ele. Shaman e outros dizem que o vírus também pode se estabelecer em um padrão sazonal de surtos anuais de inverno semelhante ao da gripe.

A gripe parece evoluir muito mais rápido do que a SARS-CoV-2, permitindo que ela passe pelas defesas do sistema imunológico. Este é o motivo pelo qual as vacinas contra a gripe precisam ser reformuladas a cada ano; que pode não ser necessário para SARS-CoV-2.

Ainda assim, o coronavírus pode ser capaz de se esquivar da imunidade adquirida pela infecção e possivelmente superar as vacinas. Já, estudos laboratoriais mostram que anticorpos neutralizantes no sangue de pessoas que tiveram covid-19 são menos capazes de reconhecer uma variante viral identificada pela primeira vez na África do Sul (chamada 501Y.V2) do que as variantes que circularam no início da pandemia. Isso provavelmente se deve às mutações na proteína de pico do vírus, que as vacinas têm como alvo. Os resultados dos testes sugerem que algumas vacinas podem ser menos eficazes contra 501Y.V2 do que contra outras variantes, e alguns fabricantes de vacinas estão explorando novos designs de seus produtos.

Ainda assim, o sistema imunológico tem muitos truques na manga e pode responder a muitas características do vírus, não apenas ao pico, diz Lavine. “O vírus provavelmente terá que passar por muitas mutações para tornar uma vacina ineficaz”, diz ela. Os resultados dos ensaios preliminares também sugerem que as vacinas podem proteger as pessoas com 501Y.V2 contra doenças graves, diz Rasmussen.

Mais de 70% dos pesquisadores entrevistados pela Nature pensam que o escape imunológico será outro impulsionador da circulação contínua do vírus. Esta não seria a primeira vez para um coronavírus humano. Em um estudo ainda a ser revisado por pares, Bloom e seus colegas mostram que o coronavírus endêmico 229E evoluiu de modo que os anticorpos neutralizantes no sangue de pessoas infectadas com a variante viral que circulava no final dos anos 1980 e início dos anos 1990 são muito menos eficazes contra os mais recentes variantes. As pessoas são reinfectadas com 229E ao longo de suas vidas, e Bloom suspeita que pode ser mais difícil evitar as variantes que evoluíram para escapar da imunidade anterior. Mas os cientistas não sabem se essas reinfecções estão associadas a sintomas piores. “Eu esperaria que, ao longo de muitos anos, as mutações acumuladas no SARS-CoV-2 erodam mais completamente a imunidade dos anticorpos neutralizantes, como vimos para o CoV-229E, embora não possa dizer com certeza como as taxas serão comparadas entre os dois coronavírus, ”Diz Bloom.

Bloom acredita que é provável que as vacinas contra SARS-CoV-2 precisem ser atualizadas, possivelmente a cada ano. Mas mesmo assim, a imunidade de qualquer vacinação anterior ou infecção provavelmente atenuará doenças graves, diz ele. E Lavine observa que, mesmo que as pessoas sejam reinfectadas, isso pode não ser um grande problema. Com os coronavírus endêmicos, reinfecções frequentes parecem aumentar a imunidade contra variantes relacionadas e, normalmente, as pessoas apresentam apenas sintomas leves, diz ela. Mas é possível que as vacinas não impeçam que algumas pessoas desenvolvam sintomas graves, caso em que o vírus continuará a ser um fardo significativo para a sociedade, diz Shaman.

Vírus do tipo sarampo

Se as vacinas SARS-CoV-2 bloqueiam a infecção e a transmissão para o resto da vida, o vírus pode se tornar algo semelhante ao sarampo. “Provavelmente é menos provável [do que outros cenários], mas ainda é possível”, diz Shaman.

Como reprojetar vacinas COVID para que protejam contra variantes

Com uma vacina altamente eficaz contra o sarampo — duas doses e uma pessoa está protegida por toda a vida — o vírus do sarampo foi eliminado em muitas partes do mundo. Antes de uma vacina ser desenvolvida em 1963, grandes epidemias matavam cerca de 2,6 milhões de pessoas, a maioria crianças, por ano. Ao contrário das vacinas contra a gripe, a imunização contra o sarampo nunca precisou ser atualizada porque o vírus ainda não evoluiu de forma a escapar do sistema imunológico.

O sarampo ainda é endêmico em partes do mundo com imunização insuficiente. Em 2018, um ressurgimento global matou mais de 140.000 pessoas. Uma situação semelhante pode surgir com o SARS-CoV-2 se as pessoas recusarem as vacinas. Uma pesquisa com mais de 1.600 cidadãos norte-americanos descobriu que mais de um quarto definitivamente ou provavelmente recusaria uma vacina COVID-19, mesmo que fosse gratuita e considerada segura. “O nosso sucesso em lidar com essas preocupações determinará quantas pessoas receberão a vacina e quantas permanecerão suscetíveis”, disse Rasmussen.

Reservatórios animais

O futuro do SARS-CoV-2 também dependerá de se ele se estabelecerá em uma população de animais selvagens. Várias doenças controladas persistem porque reservatórios de animais, como insetos, fornecem chances para que os patógenos se espalhem de volta para as pessoas. Entre eles estão a febre amarela, o Ebola e o vírus chikungunya.

O SARS-CoV-2 provavelmente se originou em morcegos, mas pode ter passado para as pessoas por meio de um hospedeiro intermediário. O vírus pode infectar facilmente muitos animais, incluindo gatos, coelhos e hamsters. É particularmente infeccioso em visons, e surtos em massa em fazendas de visons na Dinamarca e na Holanda levaram a enormes abates de animais. O vírus também passou entre visons e pessoas. Se ele se estabelecesse em uma população de animais selvagens e pudesse se espalhar pelas pessoas, seria muito difícil de controlar, diz Osterholm. “Não há doença na história da humanidade que tenha desaparecido da face da Terra quando a doença zoonótica era uma parte tão importante ou desempenhou um papel na transmissão”, diz ele.

O caminho que o SARS-CoV-2 pode seguir para se tornar um vírus endêmico é difícil de prever, mas a sociedade tem algum controle sobre ele. Nos próximos um ou dois anos, os países podem reduzir a transmissão com medidas de controle até que um número suficiente de pessoas seja vacinado para obter imunidade coletiva ou para reduzir drasticamente a gravidade das infecções. Isso reduziria significativamente as mortes e doenças graves, diz Osterholm.

Mas se os países abandonarem as estratégias para reduzir a propagação e deixarem o vírus reinar sem controle, “os dias mais sombrios da pandemia ainda estão à nossa frente”, diz ele.

Artigo traduzido de:

The coronavirus is here to stay — here’s what that means — Nature

Universidade Federal de São Paulo - Unifesp

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store